História

Não se sabe exactamente a data da descoberta de Cabo Verde, mas acredita-se que terá ocorrido entre 1460 e 1462, quando exploradores portugueses chegaram às ilhas. Diogo Gomes, um dos navegadores a quem é atribuído o achamento do arquipélago, descrevia, na altura, que “não se via rastos de homem” e, de facto, não foram encontrados, até hoje, indícios da presença humana anterior aos portugueses.

A primeira ilha a ser povoada foi Santiago, por volta de 1462. Dada a posição estratégica de zonas como a da Ribeira Grande (Cidade Velha), as ilhas serviram de entreposto de comércio e de escravos durante mais de cem anos. A Cidade Velha foi um dos portos mais importantes no cruzamento das rotas que ligavam a África, à Europa e às Américas. Para muitos historiadores, é considerada o berço da cabo-verdianidade e até da mestiçagem, e a sua importância estratégica e histórica foi reconhecida, em 2009, como Património Mundial da Humanidade pela Unesco.

A partir do século XVIII, a situação política mundial altera-se com a abolição da escravatura. Cabo Verde perde o seu estatuto geo-político e atravessa momentos difíceis, agravados pelas secas e fomes. Nesta fase, em finais do século XVIII, os cabo-verdianos começam a emigrar para os EUA, à boleia de navios norte-americanos que escalam no arquipélago, e ainda para as colónias portuguesas e para as roças de São Tomé e Príncipe.

Do século XIX até à Independência, Cabo Verde permanece quase isolado, sobrevivendo com os seus escassos recursos e com os poucos apoios que chegavam da metrópole portuguesa, onde persistia, há longos anos, um regime ditatorial.

A luta pela Independência começa na Guiné-Bissau, impulsionada por Amílcar Cabral, e pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), criado em 1956. Demarcando-se do colonialismo, Cabral inicia uma luta armada (e intelectual) na Guiné-Bissau, mas acaba por ser assassinado antes de alcançar a independência para os dois países. Consegue, no entanto, a atenção internacional, e a 2 de Novembro de 1973, as Nações Unidas exigem a Portugal o fim da guerra colonial na Guiné-Bissau.

O 25 de Abril em Portugal, que depôs o regime ditatorial, acaba por precipitar os acontecimentos nas colónias. A 19 de Dezembro de 1974 é assinado um acordo entre o PAIGC e Portugal, instaurando-se um governo de transição em Cabo Verde. Este mesmo Governo preparou as eleições para uma Assembleia Nacional que, a 5 de Julho de 1975, proclamou a independência de Cabo Verde. A primeira Constituição vigorou a partir de 1980.

A democracia parlamentar e semi-presidencial foi instituída em 1991, com as primeiras eleições livres e multi-partidárias, que se realizaram a 13 de Janeiro.
Em 1992, Cabo Verde adere à União Africana e junta-se, em 1996, aos restantes sete países lusófonos para formar a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Copyright © 2019 Cabo Verde Development Gateway. Todos os direitos reservados.
Joomla! software livre. Licença GNU GPL.